MYSTERYLAND RECEBE FESTIVALEIROS PORTUGUESES NA EDIÇÃO DESTE ANO

Escrito por 100% DJ | 365 Dias ao Ritmo da Noite
Publicado em 26 agosto 2016
 
Um pouco por toda a Europa, a época de festivais está ao rubro e a Holanda – em concreto a cidade de Haarlemmermeer - não é exceção, já que este fim-de-semana vai receber uma nova edição do Mysteryland, um dos maiores festivais de música eletrónica a nível internacional, e que desde 1993 é produzido pela gigante produtora ID&T. Este ano o palco do festival holandês será ocupado por nomes como Don Diablo, Afrojack, Diplo e muitos outros.
 
Este festival já esteve presente em outros países, como os Estados Unidos da América e o Chile, depois de mais de 20 edições na Holanda.
 
Quando é realizado um grande evento internacional de música eletrónica, é certo que no meio da multidão vão estar presentes festivaleiros portugueses. Como já vem sendo hábito nas reportagens sobre os principais festivais eletrónicos, o Portal 100% DJ falou em exclusivo com alguns festivaleiros que vão embarcar na aventura do Mysteryland, representando desta forma o nosso país.
 
João Pedro Vicente tem 49 anos e viaja para Haarlemmermeer com o intuito de “ouvir boa música e desfrutar simplesmente do ambiente.” Depois de três anos a marcar presença no Festival Tomorrowland, o festivaleiro de Agualva decidiu este ano conhecer outros dois festivais, e depois de procurar por alternativas ao festival belga, optou pelo Electric Love e pelo Mysteryland.  
 
João Pedro pretende ficar na fila da frente do famoso palco QDance onde, e como habitualmente, o hardstyle estará em grande destaque. 
 
“Portugal merece mesmo um festival deste género, mas suspeito que ainda podemos não estar preparados para isto. A verdade é que a média de idades nestes festivais (no estrangeiro) é muito mais alta que em Portugal. Penso que o ambiente não é o mesmo” refere o festivaleiro. 
 
 
Com as expectativas “muito altas” e a representar o sexo forte, estará Mariana Malcato, que parte de Lisboa com destino ao Mysteryland, acreditando que o evento “vai ser único e que não irá desiludir”. Para Mariana, todos os pormenores contam “desde a organização, o recinto, a decoração, os palcos, as pessoas e claro, a música”.
 
Depois de ir ao Tomorrowland durante dois anos consecutivos (2014 e 2015), Mariana reconheceu que “estava na altura de experimentar um festival novo”, e o facto do Mysteryland poder ser considerado o ‘pai’ do Tomorrowland “teve o seu peso na escolha. E ainda, a música, o espírito único e extravagante também foram fatores importantes” remata.
 
Martin Garrix é o artista que mais quer ver, no entanto, a festivaleira também está curiosa para assistir à atuação de “Laidback Luke e rever Coone e Brennan heart - dois artistas que há um ano atrás não conhecia mas que me surpreenderam muito.”
 
Mariana considera que "Portugal tem os requisitos necessários para receber um grande festival (clima, espaço, infraestruturas), e até fazemos muitos”, no entanto e na sua opinião “o que falta é o espírito festivaleiro e o verdadeiro gosto pelo estilo de música que em nada iguala os holandeses.”
 
 
Habituado a estas andanças e natural de Sintra, João Santos não esconde as suas expectativas “muito altas”. O festivaleiro refere mesmo que “na Holanda não se brinca e vindo dos mesmos produtores do Tomorrowland espero algo muito bom, mais pequeno mas cheio de qualidade.”
 
A decisão de viajar até ao festival de música eletrónica mais antigo da Europa não foi fácil e teve de escolher entre duas opções. “Depois de ter ido ao Ultra Miami, em março, ficou mais difícil fazer contas, quer aos dias de férias, quer ao dinheiro necessário... Com a hipótese do Tomorrowland e Electric Love afastados devido ao trabalho, rapidamente fiquei com a opção do Mysteryland ou do Creamfields - optei pela primeira! De entre vários motivos que pesaram na decisão, destaco o cartaz variado e não muito saturado (que nem sempre é bom) e o preço acessível, assim como o fator idade.”
 
Sobre os artistas que mais quer ver, o português de 23 anos, sublinha “Brennan Heart, Coone e Wildstylez, sem esquecer o grande Dave Clark”.
 
Sobre se o nosso país merece um festival do género, João Santos considera que há muita coisa a mudar antes disso acontecer. “Merece, mas não para já. Não enquanto o nosso público não souber estar nem respeitar um festival. Muita coisa tem de mudar. É pena porque considero que temos tudo, mas mesmo tudo para poder apostar numa coisa em grande. Para já, penso que não resultaria.”
 
 
 
 
 
 
 

Últimas Noticias

Mais Lidas

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais.